Você está aqui: Página Inicial > Notícias > “Queremos nossos requerimentos analisados em até 34 dias”, afirma diretor da ANM no Canadá

Notícias

“Queremos nossos requerimentos analisados em até 34 dias”, afirma diretor da ANM no Canadá

Brazilian Mining Day lota auditório do PDAC, maior evento de mineração do mundo.
por publicado: 02/03/2020 20h51 última modificação: 02/03/2020 20h55

Toronto - Na tarde desta segunda-feira (2), o diretor da Agência Nacional de Mineração, Tomás de Paula Pessoa, palestrou na 88ª convenção da Prospectors & Developers Association of Canada (PDAC 2020). Com o auditório lotado, o diretor falou sobre os “Avanços Regulatórios e Sustentabilidade no Setor Mineral Brasileiro”, durante o Brazilian Mining Day, dia das apresentações do Brasil à comunidade minerária mundial.

Os avanços da ANM neste primeiro ano de criação foram abordados. Além das dificuldades para a mudança do antigo Departamento Nacional de Produção Minerária (DNPM) para a nova agência - quase 20 anos - o diretor foi enfático na meta da ANM: transparência na clareza das informações do setor e na abertura dos dados para que todos possam ter acesso.

“Isso é muito importante para nós, tendo em vista tudo o que aconteceu nos últimos anos, e também é parte do nosso objetivo de trazer transparência à Agência. É uma solicitação não só do setor mineral, como da sociedade e nós estamos fazendo este movimento difícil e rápido. Esse foi das mais importantes mudanças que fizemos no último ano”, pontuou.

Entre os avanços, o diretor citou a abertura ao cidadão do Sistema Integrado de Gestão de Barragens de Mineração - o SIGBM público, onde qualquer pessoa agora pode ver a situação das barragens de todo o Brasil, o protocolo digital, que permite que os processos minerários sejam feitos digitalmente, e a aprovação tácita, que dão prazo máximo de 120 para a análise dos pedidos. “Entre 2002 e 2018, o DNPM levava em torno de 344 dias para estas análises. Nosso objetivo é ir além e liberarmos estes requerimentos em até 34 dias”, afirmou.

Tomás de Paula Pessoa explicou ainda os próximos passos da ANM nos anos de 2020/21 - chancelados pela agenda regulatória, que traz segurança aos investidores e à sociedade, e a redução do fardo regulatório. “Nossa intenção é diminuir as dificuldades encontradas pelos empreendedores, seja pela digitalização, estabelecimento de prazos de análise ou revogação e reedição das normas minerárias”.

*Sobre o PDAC *

O PDAC acontece anualmente em Toronto, Canadá, e é o principal e maior evento de mineração do mundo. Com mais de oito mil membros, a missão da PDAC é promover um setor mineral sustentável e globalmente responsável que incentive práticas líderes em desempenho técnico, operacional, ambiental, de segurança e social. Mais de 25 mil pessoas de 130 países participaram na edição de 2019. De 1 a 4 de março, estão sendo apresentadas e discutidas as tendências, perspectivas e desafios do setor mineral em escala global.

O comitê organizador do Brasil no PDAC 2020 é coordenado, além da ANM, pela Agência para o Desenvolvimento Tecnológico da Indústria Mineral Brasileira (ADIMB), Ministério de Minas e Energia, Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Associação Brasileira de Mineração (IBRAM), Associação Brasileira de Empresas de Exploração Mineral (ABPM) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).


Diretor Tomás de Paula Pessoa